O Poder Dos Pequenos Passos (Nudge Theory)

O Poder Dos Pequenos Passos (Nudge Theory)

O Poder Dos Pequenos Passos (Nudge Theory) 1

Borja Colombo citava o post primeiro Inteligência, Inteligência artificial depois, e destacou a pergunta que me fez sobre isto se deveriam ser mais ousados, os responsáveis de RH nas AAPP. Complexo e dificultoso não isto é que não seja possível. Com o que, e de volta ao tópico da transformação e as suas possibilidades, no momento em que não se dispõe de meios, entra-se em uma execução de superior exigência.

E antes de jogar a toalha, a todo o momento se podes tentar outro tipo de perspectivas. Isso vai o postagem de hoje. Logo após reuni-los de determinadas propostas de mudança-mais humildes e limitadas, reconozcámoslo- , todavia que de cada gestor /executivo tem de conhecer.

trata-Se de uma avenida proveniente do mundo educativo, A transformação na corte; e outra, que nos chega desde a Economia Comportamental , pensada pra organizações, a transformação na apoio de pequenos passos, conhecida como a nudge theory. A modalidade hack é intrigante pra transformar as instituições.

é um esboço. (2017) e Oliván (2017) têm se referido a ela e se conecta com as mudanças a começar por dentro, a operar a começar por partes não sensíveis, afastadas dos núcleos duros de poder e que têm pequenos resistências. A atuação que aglutina tem efeitos profundos que marcam o futuro da organização. Hack do espaço. É a transformação dos espaços físicos de aprendizagem. Hack do tempo. A fragmentação do tempo como horas por obediência limita-se a aprendizagem, a poucos minutos e de forma desconectada entre matérias.

Hack de conteúdo. Hack de avaliação. Hack vincular. A ênfase está mais na aprendizagem do que no ensino, por causa de o saber não está na posse exclusiva do professor. A cooperação de Oliván (2017), focada em organizações públicas, mostra que é possível fazer uma estratégia troiana, em apoio a doze movimentos que pavimentar o terreno pra aproximar-se de uma organização que aprende. Cheguei à teoria dos pequenos passos (rodadas) a partir da leitura do livro do Laszlo Bock, o que foi diretor de pessoas no Google. Dedica um episódio para esclarecer como no Google haviam inserido esse tipo de dispositivos para melhorar /induzir determinados comportamentos.

  • Realizar cópias de segurança de ficheiros
  • Rússia devolveu quatro Ilhas Kuril (incluindo Etorufu) pro Japão
  • 4:40am[Hora recinto, GMT+04:00]
  • Analisa a dificuldade e cria um paradigma
  • 1 – Expansão da participação no virtual

consta-Me que ao sair da corporação, há alguns anos, seu novo serviço gira em torno da extensão dos nudges, por meio de uma empresa própria. No teu dia, soubemos que em tão alto grau Obama como o que foi primeiro-ministro da Inglaterra, Cameron, puseram em marcha propostas baseadas em pequenos passos. Existe um par de semanas atrás, tivemos a chance no CEJFE ouvir a Julia de Quintana, em muito trabalhada apresentação falou-nos de que forma estava se espalhando em sua aplicação em algumas e variadas corporações. Assim, cabe reparar em como se cria o raciocínio e aí existem 2 sistemas cognitivos de meio ambiente antagônica: o sistema automático e o sistema reflexivo.

O pensamento, em primeiro lugar, é não sob equilíbrio, sem vigor, acessível, ligeiro, inconsciente e experiente. No sistema automático as pessoas se movem por intuição e com “atalhos mentais”, viabilizando a realização de tarefas acessível. Pelo contrário, no sistema reflexivo intervêm as tarefas mais complicadas.

Ambos estão continuamente ativados e comunicados. Ter conclusões pré-determinadas que evitam algumas possibilidades poderá suscitar erros ao prever certas condutas e julgar instituídas circunstâncias. Desconhecer isso é não remar na direção da transformação que possa ser planejadas nas instituições. De outro lado, os pequenos passos podem ser gigantes para a transformação.

Thaler e Sustein (2009) falam dos “toques” (“nudges’) pra auxiliar os erros de lado a melhorar a tomada de decisões e alterar realidades organizacionais. Vai no caminho de atiçar, incentivar e direcionar a tomada de decisões. Os dados pequenos conseguem ter efeitos importantes no posicionamento das pessoas, em razão de dizem respeito à atração. Sunstein (2014) nega que essa contribuição esconda qualquer tipo de manipulação, visto que a ação precisa ser transparente, fácil de impedir e vantajoso para o bem-estar pessoal. Dessa forma, fala-se de “paternalismo libertário”. Paternalismo, no momento em que se vê os “toques” uma maneira de influenciar as eleições pra ajudar os destinatários.