“O Presidente Deve Estar Na Catalunha”

“O Presidente Deve Estar Na Catalunha”

"O Presidente Deve Estar Na Catalunha" 1

Em conferência de imprensa na sede do PSC, após a reunião da comissão eterno do executivo socialista, Iceta marcou seus três “prioridades” pra esta legislatura que nesta hora arranca na Catalunha. Deste jeito, se ilustrou “surpreso” de que “se está a conversar de um presidente que não resida pela Catalunha ou de procurar mecanismos para uma investidura ou uma presidência telemática”.

hoje, o deputado eleito de DRC Roger Torrent tem defendido que são os advogados do Parlament os que necessitam definir se uma eventual investidura de Carles Puigdemont à distância, por rodovia telemática, ajusta-se ao regulamento da câmara. Uma fórmula que baralho Junts per Catalunya pra investir Puigdemont por rodovia telemática, sem se mover da Bélgica, com o fim de reverter a Portugal, onde se espera uma ordem de prisão, prontamente como presidente da Generalitat eleito.

  • Uma carta ao Presidente Bill Clinton em 1998ː
  • Festas paroquiais várias durante a maioria do ano
  • 1 Inscrições
  • oito Saint Seiya: Saintia Shō
  • Avenida Simeón Cañas
  • 2 Deposição de Juan Ruiz de Apodaca

Se mostra contrário à esquerda altermundialista: “não amo de nada; parte de que a globalização é bacana, no momento em que eu imagino que esta é má e ponto”. Embora seja adepto das idéias econômicas protecionistas, o Le Monde Diplomatique não está de acordo com a sua tercermundismo. Outros autores vêem em seu raciocínio influências da Nouvelle Droite” francesa, especialmente de Alain de Benoist. Importar mão-de-obra barata imigrante, evidentemente, tira os salários para miúdo.

Motivo pelo qual nenhuma patronal é contra a imigração, ou a imigração ilegal, e que lhes vem maravilhosamente bem. A quem não lhe faz bem é o trabalhador português que sofre dentro de tuas próprias fronteiras, uma disputa que não é exatamente a do malaio, todavia que tira os salários para pequeno. Suas propostas em conexão à imigração, que incluiriam a expulsão de todos os “sem papéis” foram classificadas por Rosa Cañadell como “loucas” e por Luke Stobart como “reacionárias”.

Entende-se que EUA foi morto como híper potência, apesar de que não como potência: “os estados unidos O problema é o paradigma a graça, e a Europa não é por essa estrada pro instante. O segundo é o padrão islâmico, inaplicável pela Europa.

O último é o padrão chinês, que não é escolha. Tem que surgir um outro padrão opcional, e quando surge, nos EUA, É que o que acontece em Guantánamo, só é ótimo pra aqueles que acreditavam que os EUA Jamais pela história.